Deseja ser professor mas não quer fazer um curso de licenciatura? Você sabia que existe um curso chamado complementação pedagógica que pode auxiliar na profissão? Na prática, é uma modalidade de curta duração e que pode ajudá-lo a conseguir as credenciais e habilidades para seguir carreira como professor na sua área de atuação.

Se você fez um curso de bacharelado ou tecnólogo, mas descobriu que o que quer mesmo é dar aulas, esse curso pode ser a solução. Voltado exclusivamente para esse tipo de profissional, a complementação pedagógica foi criada para formar professores.

Ficou curioso sobre como ampliar suas possibilidades de carreira? Continue acompanhando para saber mais sobre o curso.

Leia mais: Graduação em Pedagogia: por que o curso é sinônimo amor ao ensino?

MATRICULE-SE EM UM CURSO DE GRADUAÇÃO DE QUALIDADE DA ESTÁCIO!

O que é complementação pedagógica

Complementação pedagógica, ou como também é chamado “licenciatura de curta duração” ou “formação pedagógica para não-licenciados” é um curso que forma professores para atuarem em áreas correlatas à sua formação.

Em outras palavras, se você é formado em matemática, por exemplo, e quer atuar como professor, o curso pode te dar o direcionamento e a habilitação para que você trabalhe como professor nos ensinos fundamental, médio, educação de jovens e adultos (EJA) ou ensino profissionalizante.

Foi criado a partir da Resolução CNE/CEB nº 02/1997 e dá aos estudantes que finalizarem o curso, o certificado e registro profissional equivalente ao de uma licenciatura plena.

Tem duração de um a três anos e, dependendo da instituição pode ser feito à distância ou presencialmente.

O que diz a resolução CNE/CEB

Na resolução, define-se que quem fizer o curso de complementação pedagógica pode atuar como docente no nível superior para disciplinas que integram as quatro séries finais do ensino fundamental, o ensino médio e a educação profissional em nível médio.

Além disso, afirma que os programas de licenciatura de curta duração foram criados para suprir a falta nas escolas de professores habilitados, em determinadas disciplinas e localidades, em caráter especial.

Para ingressar no curso é necessário ser portador de diploma de nível superior, em cursos relacionados à habilitação pretendida, que ofereçam sólida base de conhecimentos na área de estudos ligada a essa habilitação.

Precisa ter alguma formação para fazer o curso?

Esse curso foi criado inicialmente para formar professores em caráter emergencial e hoje é exigido pelo MEC – Ministério da Educação que o estudante tenha formação inicial de pelo menos 160 horas de disciplinas relacionadas à complementação pedagógica escolhida.

Ou seja, é necessário já ter uma formação inicial, seja bacharelado ou tecnólogo.

Essa informação é importante pois mesmo que você não tenha a formação na complementação pedagógica que você quer fazer, caso comprovar pelo menos essa quantidade de horas na mesma área, pode fazer o curso.

O curso é, como o nome já diz, uma complementação e não uma pós-graduação, sendo que o diploma é de habilitação em licenciatura.

Também é importante lembrar que o curso de complementação pedagógica não substitui o curso de pedagogia já que esse é exclusivo para formação de professores da educação infantil, com currículo voltado aos primeiros anos de alfabetização e letramento.

Leia também: Professor de Matemática: vale a pena investir nessa profissão?

Quais áreas oferecem o curso de complementação pedagógica

São diversas as áreas que você pode fazer uma licenciatura de curta duração, tais como:

Disciplinas oferecidas

Segundo a Resolução CNE/CEB os programas deverão respeitar uma estruturação curricular articulada nos seguintes núcleos:

  • Contextual: visam a compreensão do processo de ensino e aprendizagem, considerando a escola como um todo, suas relações e o contexto onde está inserida;
  • Estrutural: deve abordar conteúdos curriculares, organização sequencial, avaliação e integração com outras disciplinas, adequados ao processo de ensino e aprendizagem;
  • Integrador: centrado nos problemas concretos enfrentados pelos alunos na prática de ensino, por meio de projetos multidisciplinares, com participação dos professores de várias disciplinas do curso.

Dessa forma, essas são algumas das disciplinas que podem ser oferecidas nos cursos:

  • Didática;
  • Educação de Jovens e Adultos;
  • Fundamentos da Educação Infantil;
  • Gestão Escolar;
  • Metodologia de Ensino;
  • Orientação Pedagógica;
  • Políticas Educacionais;
  • Psicologia da Educação;

É preciso fazer estágio?

Sim, além disso, o estudante precisa fazer um estágio supervisionado e, também de acordo com a Resolução CNE/CEB, os programas devem ter pelo menos 540 horas de duração, sendo que o estágio deve ter no mínimo 300 horas práticas.

A parte prática do programa deverá ser desenvolvida em instituições de ensino básico. Dessa maneira, os estudantes se envolverão não apenas a preparação e o trabalho em sala de aula e sua avaliação, mas também todas as atividades próprias da vida da escola.

Isso inclui o planejamento pedagógico, administrativo e financeiro, as reuniões pedagógicas, os
eventos com participação da comunidade escolar e a avaliação da aprendizagem, assim como de toda a realidade da escola.

Complementação pedagógica EAD ou presencial?

Você pode optar por fazer o curso de complementação pedagógica tanto no formato à distância (EAD), quanto presencial. Depende da instituição escolhida.

Quem opta pelo EAD conta com diversas vantagens como estudar nos locais e horários que deseja e mais se encaixam na sua rotina. É um curso flexível que se adapta à realidade do estudante.

Além disso, como o curso é mais curto que os de graduação comuns, é mais fácil manter a rotina de trabalho quando se opta pela modalidade EAD.

Assim como os demais cursos EAD, na complementação pedagógica, o estudante acompanha as disciplinas por uma plataforma digital, no entanto na hora de fazer o estágio ele é feito de forma presencial em instituições de ensino básico.

Por que fazer um curso de complementação pedagógica?

Por mais que os bacharelados sejam a modalidade preferida dos estudantes, existe um grande mercado para licenciados no Brasil. Segundo o último Censo da Educação Superior que o Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira realiza, 59,9% das pessoas escolhe o bacharelado.

Isso acaba gerando um déficit muito grande de licenciados. A prova disso é que no ensino médio, 29,2% dos professores não tem formação para dar aulas. A situação ainda é um pouco pior nos anos finais do ensino fundamental, onde essa porcentagem sobe para 37,8%.

Essas informações estão no Anuário de Educação Básica de 2019 do Todos pela Educação, que é uma organização sem fins lucrativos liderada por empresários com o objetivo de assegurar o direito à educação básica de qualidade para todos os cidadãos até 2022.

Dessa forma, dá para afirmar que a formação de professores deve ser estimulada e que, no que se refere à empregabilidade, as áreas de licenciatura tem mercado garantido nos próximos anos.

Além disso, existem outras vantagens de se fazer o curso, acompanhe:

Vantagens de escolher o curso de complementação pedagógica

Algumas das principais vantagens de escolher o curso de complementação pedagógica:

  • A formação é aceita em concursos públicos: como é uma formação reconhecida pelo MEC, concede ao estudante um grau equivalente a uma licenciatura plena, não havendo impedimento para ocupar vagas em escolas públicas;
  • Ampliação da área de atuação: além de poder atuar como professor, você também pode trabalhar na administração e gestão escolar, na área de planejamento e coordenação de atividades pedagógicas ou preparando livros didáticos;
  • Aumenta a empregabilidade: como já mencionamos a empregabilidade para licenciados é alta e fazendo o curso você aumenta o leque de oportunidades de trabalho;
  • É uma formação rápida: fazer um curso de complementação pedagógica é mais rápido que fazer um curso de bacharelado, mais um curso de licenciatura;
  • Facilidade de ingresso: não é preciso realizar nenhum exame para ingressar no curso, somente enviar os documentos para a instituição analisar;
  • Programa focado na prática: como os alunos do curso já tem uma formação, o programa é focado na prática de ensino.

UTILIZE SUA NOTA DO ENEM PARA ENTRAR EM UM CURSO DA ESTÁCIO!

Leia também: Licenciatura e Bacharelado em Educação Física: qual a diferença?

E você, o que achou do curso de complementação pedagógica?

Ele é ideal para quem quer ampliar as possibilidades de trabalho e entrar no mundo escolar. Se você sonha em ser professor mas não fez a formação específica, essa pode ser a sua chance.

Continue acompanhando o nosso blog para mais dicas como essas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui