A Tabela Periódica é uma ferramenta muito utilizada durante o Ensino Médio e que pode ganhar mais importância no momento do vestibular. Mesmo tão relevante, muitos nem entendem como ela funciona e como na prática pela pode ajudar a conquistar objetivos.

Criada em 1869, a Tabela Periódica sistematiza as espécies atômicas, ou como conhecemos os elementos químicos presentes no mundo. Ela faz isso ordenando a partir do número atômico do elemento e mostra mais detalhes sobre cada um, como o número da massa e as propriedades periódicas.

Não à toa, é um item essencial nas aulas de química e cursos de graduação, como Química, Física, Biologia e Engenharias. Mas, afinal, como entender a tabela? Para o que ela serve? Confira a seguir!

MATRICULE-SE EM UM CURSO DE GRADUAÇÃO DE QUALIDADE DA ESTÁCIO!

Leia mais: Sisu 2022: saiba como usar sua nota do Enem

Tabela Periódica: breve história

Muitos cientistas tentaram criar uma tabela com a capacidade de organizar e mostrar em forma de imagem os elementos fundamentais da matéria. Porém, foi apenas em 1869 que a Tabela Periódica de Dmitri Mendeleiev foi aceita, por ser a mais completa.

Na época, a criação de Mendeleiev se organizava a partir da massa atômica dos elementos e possuía espaços para encaixar novas matérias ainda não descobertas. Com isso, a ferramenta foi reestruturada por Henry Moseley no início da década de 1910, com o estudioso colocando os elementos em ordem crescente de número atômico.

Atualmente, existem 118 espécies químicas catalogadas, sendo a última o oganessônio.

Como se lê?

Como comentamos, a tabela é organizada em ordem crescente de número atômico. Ou seja, ela vai do hidrogênio (Nº 01), terminando no oganessônio (Nº 118). Apesar disso, existem outras organizações, as quais ajudam no entendimento das espécies e em como elas são formadas.

Por exemplo, a Tabela Periódica tem 18 colunas, chamadas de famílias ou grupos. Em cada coluna estão grupos de elementos com propriedades físico-químicas semelhantes. A única exceção é o hidrogênio, que está no grupo 1, mas não possui propriedades semelhantes aos demais.

Cada grupo é definido por um número e os elementos dentro dessa organização possuem o mesmo número de elétrons na camada de valência. Assim, quem participa do grupo 2 possui o mesmo número de elétrons e assim vai. Isso ajuda quem estuda química a encontrar mais facilmente os elementos e resolver questões.

Veja abaixo os grupos e seus componentes:

  • 1: hidrogênio, lítio, sódio, potássio, rubídio, césio e frâncio;
  • 2: berílio, magnésio, cálcio, estrôncio, bário e rádio;
  • 3: escândio, ítrio e série de lantanídeos e actinídeos;
  • 4: titânio, zircônio, háfnio e rutherfórdio;
  • 5: vanádio, nióbio, tântalo e dúbnio;
  • 6: cromo, molibdênio, tungstênio e seabórgio;
  • 7: manganês, tecnécio, rênio e bóhrio;
  • 8: ferro, rutênio, ósmio, hássio;
  • 9: cobalto, ródio, irídio e meitnério;
  • 10: níquel, paládio e platina;
  • 11: cobre, prata, ouro e roentgênio;
  • 12: zinco, cádmio, mercúrio e copernício;
  • 13: boro, alumínio, gálio, índio, tálio e nihônio;
  • 14: carbono, silício, germânio, estanho, chumbo e fleróvio;
  • 15: nitrogênio, fósforo, arsênio, antimônio, bismuto e moscóvio;
  • 16: oxigênio, enxofre, selênio, telúrio, polônio e livermório;
  • 17: flúor, cloro, bromo, iodo, astato e tenessino;
  • 18: hélio, neônio, argônio, criptônio, xenônio, radônio e oganésson.

Mas e na horizontal?

Bom, aí estão os períodos, organizados horizontalmente e com o mesmo número de camadas eletrônicas. Com isso, no primeiro período estão os elementos que comportam elétrons em apenas uma camada. Se ler a tabela, dá de perceber que conforme vai indo para baixo, mais elementos compõem os períodos e é isso mesmo.

Para que serve?

Basicamente, para conhecimento de quais são as espécies químicas e suas características. Lembra nas aulas de Química, onde você precisava do número da massa atômica de um elemento para resolver uma questão, ou saber a propriedade de outro para entender uma parte da matéria? Então a Tabela Periódica ajuda neste tipo de situação.

Além do mais, a partir dela é possível entender as propriedades periódicas das substâncias. Assim, Químicos conseguem desenvolver trabalhos e facilitar o dia a dia no serviço. Separamos abaixo algumas propriedades presentes na tabela:

  • Afinidade eletrônica;
  • Densidade;
  • Energia de ionização;
  • Eletronegatividade;
  • Pontos de fusão e ebulição;
  • Raio atômico.

Como a Tabela Periódica cai no Vestibular?

Geralmente os vestibulares não permitem levar um exemplar de tabela. Mas, dependendo de qual for, ainda é possível consulta-la no final do caderno de respostas. Via de regra, a tabela pode ajudar na hora de resolver problemas relacionados à matéria de Química, por possui informações sobre os elementos.

No mais, não é necessário decorar ela, mas sim saber ler e entender seus elementos, como explicamos anteriormente. Assim, se estiver estudando para o vestibular, compreenda todos os detalhes sobre esse item e arrase na prova.

UTILIZE SUA NOTA DO ENEM PARA ENTRAR EM UM CURSO DA ESTÁCIO!

Saiba mais: Áreas da Medicina: veja quais são as mais promissoras

Entendeu como funciona a Tabela Periódica?

Após ler esse texto você consegue ter uma boa noção de como funciona a Tabela Periódica e qual sua aplicação na prática. Agora é continuar estudando! Se quiser acessar eletronicamente o item, pode ir em sites como o Tabela Periódica Completa.

Continue lendo nosso blog e fique por dentro das novidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui