O momento de decidir o curso de graduação pode ser bastante complexo e repleto de dúvidas. Principalmente porque existem algumas possibilidades de cursos muito semelhantes em uma mesma área de atuação. Em outros casos, os cursos podem ser até parecidos no imaginário coletivo, mas se pesquisarmos um pouco mais sobre eles, descobrimos que o que se aprende na prática é completamente diferente. Esse é o caso dos cursos de arquitetura e design de interiores.

Enquanto um é o responsável por projetar os espaços a serem construídos, o outro planeja a decoração dos ambientes, combinando os elementos que os compõem, levando em consideração a harmonia do espaço, o conforto, a praticidade e, claro, o gosto do cliente. Então podemos dizer que os trabalhos de um arquiteto e de um designer de interiores são complementares. Agora você já deve estar começando a entender as diferenças e particularidades de cada um, não é mesmo?

Para ajudar, neste post, vamos falar sobre o que se aprende em cada um dos cursos, quais são as principais diferenças entre eles, a concorrência no mercado de trabalho e muito mais. Com essas informações, você poderá fazer uma análise mais completa de qual carreira é a melhor escolha para você. Vamos lá?

MATRICULE-SE EM UM CURSO DE GRADUAÇÃO DE QUALIDADE DA ESTÁCIO!

Leia também: Profissional do futuro: como vai ser o trabalho em alguns anos?

Como é o curso de arquitetura?

O arquiteto é o profissional responsável por elaborar projetos que proporcionem funcionalidade e estética a uma edificação. Isso vale tanto para novas construções como para a reforma de espaços e imóveis antigos. No caso do arquiteto urbanista, ele também planeja espaços urbanos que facilitem ou melhorem a vida das pessoas que por eles transitam. Em ambas as situações, o profissional deve levar em conta ainda as características do local da construção (solo, vegetação, relevo, clima, entre outros).

Por isso, o curso de arquitetura é recomendado para pessoas criativas, com facilidade para desenhar e que também possuem um bom senso de organização, além de, claro, gostem de todos os tipos de edificação (das pequenas casas aos grandes shoppings). 

Porém, engana-se quem acha que para ser arquiteto é imprescindível saber desenhar bem. Afinal, essa é uma habilidade que é desenvolvida através da prática. E além disso, outras disciplinas como a Física, a Química e a Matemática farão parte do seu dia a dia.

No curso de arquitetura os alunos também aprendem a fazer cálculos precisos, obtém conhecimento profundo sobre os tipos de materiais utilizados nas construções (desde o concreto até o vidro…) e como cada um deles reage ao meio em que está exposto (clima, interação com outras substâncias, pressão, entre outros).

Nas fases iniciais do curso, a grade curricular é mais voltada às disciplinas teóricas. Porém, com o decorrer do tempo, as aulas práticas como Construção de Edifícios e Desenho Arquitetônico também passam a fazer parte da rotina do estudante de arquitetura.

Como boa parte do trabalho do arquiteto consistem projetar construções em softwares, também são aplicadas aulas onde os estudantes aprendem a usar esses programas.

Um Trabalho de Conclusão de Curso(TCC) desenvolvido nas fases finais da graduação em arquitetura é exigido para a obtenção do diploma.

Como é o curso de design de interiores? 

Por outro lado, o curso de design de interiores não exige tanto o uso de cálculos complexos ou conhecimento sobre a estrutura dos materiais utilizados na construção. Pois, nesse caso, o foco é voltado para a habilidade de planejar e organizar espaços internos.

Para isso, o profissional leva em conta alguns fatores como a estética, a funcionalidade, a ergonomia e o conforto ao fazer a composição de um ambiente que pode ser residencial, comercial ou industrial. Tudo isso levando em consideração os aspectos do espaço: iluminação, móveis, materiais de acabamento, cores e texturas.

Por essa razão, o curso de design de interiores é recomendado para quem gosta de organização e também de atualizar-se constantemente sobre as novidades da indústria moveleira.

Como se trata de um curso de grau tecnológico e não uma graduação, as disciplinas são mais técnicas e voltadas para a prática. Cenografia de interiores, iluminação e instalação, desenho de móveis, revestimentos e materiais são algumas delas.

Assim como o arquiteto, o designer de interiores também utiliza bastante o computador para executar suas atividades. Dessa forma, nas aulas o estudante também aprende a usar aplicativos e ferramentas digitais que irão facilitar o seu trabalho. A maioria das instituições de ensino exige um TCC para a obtenção do diploma e também a realização de um estágio, onde o aluno pode por em prática os conhecimentos obtidos ao longo do curso e também experimentar uma área de atuação.

Leia também: Simulado Estácio: conheça essa vantagem para sua graduação

Principais diferenças entre arquitetura e design de interiores

Duração do curso

Uma das principais diferenças entre os dois cursos é o tempo em que os alunos levam para obter o diploma. O curso de arquitetura costuma durar entre quatro e cinco anos, pois trata-se de uma graduação. Já o curso de designer de interiores é um curso superior de grau tecnológico. Assim, sua duração varia muito de acordo com a instituição de ensino escolhida, mas a duração média é de dois anos.

Campo de atuação

De forma geral, o arquiteto é responsável por projetar os espaços, como casas e demais construções. Ou seja, ele está mais relacionado à parte exterior das mesmas. Por outro lado, o designer de interiores é o responsável pelo planejamento do interior desses ambientes. 

A grande diferença é que apenas os arquitetos podem realizar mudanças estruturais em uma edificação, como modificar a planta original da construção ou derrubar paredes, por exemplo.

Por que ocorre confusão entre arquitetura e design de interiores?

Algumas pessoas costumam confundir as duas profissões porque uma das áreas de atuação da arquitetura é o design de interiores. Outro ponto em comum é que tanto o designer de interiores como o arquiteto frequentemente estão envolvidos em questões administrativas das obras, como cronogramas, orçamentos e a coordenação das equipes (pedreiros, pintores, eletricistas, etc.).

Assim, quem não tem muito conhecimento sobre essas questões, acaba confundindo as funções desses profissionais.

O mercado de trabalho para arquitetura e design de interiores

Antes de fazer a sua escolha por um curso, também é importante pesquisar e analisar a situação do mercado de trabalho para aquela profissão. Esse fator pode variar bastante de acordo com a região do país em que você mora.

Quando falamos do exercício da profissão na prática, geralmente o designer de interiores atua na decoração de ambientes comerciais, residenciais, de eventos e em muitos outros campos. Em muitos casos o profissional é contratado por imobiliárias, escritórios de arquitetura ou estabelecimentos comerciais (como lojas e shoppings), entre muitos outros. Também existe a possibilidade de trabalhar de maneira autônoma e/ou prestar consultoria para outros profissionais e empresas.

Já a atuação de um arquiteto é mais voltada para a atuação em projetos residenciais, reformas, projetos de paisagismo e até mesmo na coordenação de obras. Na maioria das vezes, o profissional é contratado por um escritório de arquitetura, mas também existe a possibilidade de trabalhar como autônomo ou montar o seu próprio escritório, sozinho ou em parceria com outros profissionais.

É importante lembrar que para exercer a profissão de arquiteto não basta ter apenas um diploma reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Também é preciso ser registrado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA).

UTILIZE SUA NOTA DO ENEM PARA ENTRAR EM UM CURSO DA ESTÁCIO!

Arquitetura e design de interiores: boas oportunidades

É fato que tanto arquitetos como designers de interiores encontram boas oportunidades no mercado brasileiro. E ambas as profissões proporcionam opções de carreira bastante interessantes e, no final das contas, podemos dizer que elas se complementam. No entanto, acredita-se que a segunda opção oferece mais vagas por ter uma quantidade menor de profissionais formados.

Porém, na hora de fazer a sua escolha de curso, é importante avaliar todas as questões apontadas acima conjuntamente. Além disso, não esqueça de verificar se a instituição de ensino que oferece o curso é bem conceituada e disponibiliza toda a estrutura e suporte necessários.

Acompanhe mais informações sobre cursos, bolsas, mercado de trabalho e dicas no blog da Estácio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui