Investigar crimes e desvendar mistérios: esse provavelmente também já foi um desejo seu na infância, não é? Pois saiba que é possível participar de investigações, fazendo autópsias, analisando o DNA, entre outros, com a profissão do médico legista. Neste post, vamos aprofundar um pouco mais sobre essa profissão importante e necessária.

Mas como posso me transformar em um médico legista? Que faculdade é preciso fazer? O primeiro passo é investir em um curso de Medicina de qualidade, como o oferecido pela Estácio, na modalidade presencial.

Sempre teve curiosidade para saber como é trabalhar nessa função ou já está decidido em ingressar na área? Esse post foi feito para você. Ou você já tem uma profissão mas pensa em mudar de área? Acompanhe.

MATRICULE-SE EM UM CURSO DE GRADUAÇÃO DE QUALIDADE DA ESTÁCIO!

Leia também: Curso em saúde: 7 opções muito além da medicina. Confira!

O que é ser um médico legista

Segundo profissionais da área médica, ser médico legal é aplicar conhecimentos da medicina em geral, como de especialidades clínicas e cirúrgicas, em problemas da Justiça, da administração e no campo policial. Nessa profissão, há uma boa pitada de investigação. Tal como nos filmes de Sherlock Holmes. É uma área que usa todo o conhecimento da medicina para esse fim.

Primeiramente, o médico legista é um profissional que não tem como preocupação o bem estar das pessoas e nem foca na saúde das mesmas. Ele não realiza atendimento nem acompanhamento clínico com os pacientes, nem tão pouco indica tratamento.

Em suma, ele trabalha tanto com exames de corpo de delito, identificando agressões, intoxicações, entre outros, ou com análise de corpos de pessoas que já faleceram, para identificar a causa de sua morte.

A medicina legal é uma especialidade tanto médica quanto jurídica. O médico legista utiliza conhecimentos médicos para resolver questões judiciais. Dessa forma, as responsabilidades do médico legista são tanto éticas quanto legais, diferente dos outros médicos.

Ficou interessado? Vamos te contar agora como é o dia a dia de um médico legista, quanto ganha e o que você precisa fazer para se tornar um.

Como é o dia a dia de um médico legista

Um médico legista trabalha normalmente no IML – Instituto Médico Legal. Nesse sentido, pode exercer funções em diversos departamentos. Pode atuar na antropologia forense, por exemplo, onde são exumados os cadáveres. Ou ainda, na clínica médica, onde se fazem os exames de lesões corporais.

Os médicos legistas emitem laudos que explicam as causas das mortes e erros médicos. Sendo assim, trabalham diretamente ajudando a desvendar crimes. É um trabalho de grande responsabilidade onde não cabem muitos erros.

Podem também trabalhar em outros órgãos públicos, ou ainda como professores universitários, prestando assessoria para escritórios de advocacia, além de participar de tribunais.

Atuação em órgãos públicos

Os órgãos públicos mais comuns que contratam médicos legistas são: Departamento de Polícia Técnica ou Científica – Secretarias de Segurança Pública; Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Juntas médicas dos servidores públicos municipais, estaduais ou federais e Departamento de Trânsito (DETRAN).

Porém, médicos legistas não trabalham somente com cadáveres. A estimativa é que 70% dos atendimentos sejam realizados em pessoas vivas.

Como se tornar um médico legista

Para ser um médico legista, primeiramente você precisa fazer o curso de Medicina. Além disso, precisa de Inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM).

A Estácio possui um curso presencial de Medicina. É um curso presencial que dura 6 anos. Nele, o estudante adquire conhecimentos fundamentais nas áreas de cirurgia, ginecologia e obstetrícia, pediatria, clínica médica e saúde coletiva.

Dessa forma, torna-se competente para prestar assistência médica de qualidade, atuar na promoção da saúde, na prevenção das doenças e na recuperação e reabilitação dos doentes.

Leia também: Megavestibular: faça o vestibular online e garanta o seu desconto

Especialização é necessária

Já, para se tornar um médico legista, é necessário fazer uma especialização. A Estácio também possui um curso livre de Medicina Legal. O curso abrange o estudo da Medicina Legal de forma generalista desde a responsabilidade profissional até as perícias médico-legais, estimulando o participante a enveredar-se cada vez mais por essa área.

Disciplinas que você verá durante o curso: Histórico da Medicina Legal no Brasil e no Mundo; Exercício Legal e Ilegal da Medicina; Responsabilidade Profissional do Médico; Perícias Médicas no Âmbito Civil e Penal; Definições e Tipos de Perícias Médico-Legais;  Documentos Médico-Legais: Notificações, Atestados, Pareceres Depoimento-Oral; Exumações; Traumatologia Médico-Legal (Lesões Corporais, Energias de Ordem Mecânica, Agentes Físicos Produtores de Lesões, Agentes Químicos Produtores de Lesões, Agentes Biológicos Produtores de Lesões, Agentes Mistos e Outros Agentes Causadores de Lesões); Necroscopia Médico-Legal; Cronotanatognose e Alterações Cadavéricas; Genética Forense e Psiquiatria Forense.

Leia também: Especialização em saúde: 87 cursos oferecidos pela Estácio

Salário de médico legista

De acordo com a Pesquisa Salarial da Catho, um médico legista ganha em média R$ 11.000 no Brasil.

Por outro lado, se for um médico legista concursado, o valor do salário muda. No concurso para Polícia Federal de 2018, por exemplo, os salários eram R$ 29.604,70. Ou, no concurso da Polícia Civil do Amazonas em 2019, eram de até R$ 20.897,31.

Outros concursos e seus salários:

  • Polícia Civil: salário em torno de R$ 18 mil;
  • Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves” – PA: salário de R$ 6.841,72;
  • Polícia Federal: salário de R$ 29.604,70;
  • Polícia Científica – PR: salário de R$ 9.264,57.

Mercado de trabalho

Quem quer trabalhar como médico legista é importante que tenha características como: capacidade de observação, saber interligar fatos e ter raciocínio lógico. Além disso, precisa saber lidar com outras pessoas, principalmente as da área do direito. Dessa forma, precisa ser uma pessoa imparcial, justa, técnica, atenta e que não ceda à pressões externas.

O profissional pode, principalmente, fazer concurso para ser médico legista. O concurso normalmente é composto por provas objetivas, discursivas e de aptidão física. Pode haver também avaliação de títulos, exame médico, avaliação psicológica e investigação social, onde o candidato deve garantir uma conduta irrepreensível e idoneidade moral, mediante investigação social, de caráter eliminatório.

Quanto mais graduações e especializações, mais pontos o candidato pode ganhar e isso influencia muito a entrada no mercado. Por conta disso, se você quer seguir essa carreira, saiba que quanto mais cursos fizer, em alguns concursos, maiores serão suas chances.

As matérias mais cobradas nos concursos são: Medicina Legal; Direito e Legislação Penal, Direito Civil, Empresarial, Administrativo, Constitucional e Ambiental. Além de Lógica, Informática e Língua Portuguesa.

Outras opções de atuação do médico legista:

  • Auditoria: trabalha verificando a documentação ou a cobrança na área da saúde. Pode trabalhar na saúde suplementar (sistema Privado) ou no Sistema Único de Saúde (SUS);
  • Perícia securitária: trabalha avaliando as condições dos seguros de vida;
  • Perícia administrativa: pode atuar na análise da saúde dos trabalhadores, determinando se este tem ou não capacidade para realizar uma tarefa específica;
  • Perícia Criminal: nessa área, o médico legista se torna indispensável pois ele atua na instauração de processos e resolução de crimes;
  • Perícia Cível: nesses casos, o médico legista trabalha na instauração de processos e resolução de delitos que são praticados contra o patrimônio, bens ou qualquer valor de terceiros.

Outras profissões que podem atuar em perícias criminais

Saiba que não é somente na medicina legal que você pode trabalhar com investigação criminal. Existe também as profissões de Investigação Forense e Perícia Criminal.

A Estácio tem um curso de tecnologia nessas áreas. Eles são oferecidos na modalidade de ensino a distância, dando ao aluno mais flexibilidade para estudar onde e quando quiser, com aulas 100% online. Tem duração de 2 anos e meio, sendo que o aluno que quiser realizar os cursos de Investigação Forense e Perícia Criminal e de Direito, conseguirá fazer as três graduações em 6 anos e meio.

A graduação em investigação forense e perícia criminal prepara profissionais para trabalhar diretamente com a resolução de crimes a o desenvolvimento de análises e pareceres que envolvem atos criminosos de violência contra pessoas ou instituições.

E você, se interessou pelas profissões que te apresentamos? Se você tem vontade de trabalhar desvendando crimes, já está no caminho!

Acompanhe mais informações sobre cursos, bolsas, mercado de trabalho e dicas no blog da Estácio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui