Ampliar o conhecimento e as técnicas de atuação é um investimento fundamental para quem quer construir uma carreira profissional próspera. Para você que está na área da saúde, as possibilidades são ainda maiores. Os profissionais de fisioterapia, capazes de atuar no tratamento e na prevenção de doenças e lesões, podem especializar-se em uma área com grandes perspectivas de crescimento: a fisioterapia respiratória.

Com mais essa formação, é possível adotar técnicas e aplicar procedimentos para melhorar a qualidade de vida dos pacientes com problemas no sistema respiratório. A fisioterapia respiratória, em constante evolução e crescimento, garante boas oportunidades no mercado de trabalho. Neste texto, você vai saber onde é possível conseguir um desses empregos, terá dicas para aumentar o seu salário em mais de 50% e entenderá mais a respeito da fisioterapia respiratória e sobre como conseguir uma bolsa para pagar só a metade do valor de um curso de especialização nessa área.

ESTUDE FISIOTERAPIA NA ESTÁCIO. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS.

Entenda o que faz um profissional que atua com fisioterapia respiratória

Se você deseja se especializar nessa área, nada melhor do que começar o seu processo de decisão conhecendo mais sobre a atividade do dia a dia de quem atua com foco em fisioterapia respiratória. Essa é a especialidade que estuda o sistema respiratório e que atua para prevenir e recuperar as pessoas que sofrem com doenças pulmonares.

Com as técnicas disponíveis nessa área, o profissional é capaz de melhorar a ventilação alveolar, fazer a prevenção de crises respiratórias, educar os pacientes e dar suporte ventilatório nos períodos de crise e insuficiência respiratória. Para realizar tudo isso, o fisioterapeuta utiliza técnicas manuais e instrumentais, além de exercícios, posicionamentos e aconselhamento para os pacientes.

A área de fisioterapia respiratória é reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Aproveite a sua graduação em Fisioterapia para focar nessa área do conhecimento

Durante o seu curso de Fisioterapia, que tem duração de cinco anos, você terá contato com todas as especialidades dessa área. Na graduação da Estácio, por exemplo, você terá a disciplina de Fisioterapia Respiratória, com 90 horas de duração, no sexto período do curso.

Se você tem interesse em ajudar as pessoas na sua atividade cotidiana, contribuindo para que elas possam melhorar a qualidade de vida através da fisioterapia respiratória, procure tirar o máximo de proveito dessa disciplina durante o curso. Procure também fazer estágios na área e desenvolver uma boa rede de contatos através de seus professores e dos especialistas que trabalham nessa especialidade.

Além de um estágio na área de fisioterapia respiratória, você também poderá produzir o seu Trabalho de Conclusão de Curso com esse foco. Aproveite toda ocasião que tiver, durante a sua graduação, para focar a sua trajetória nessa área.

Mercado de trabalho para quem deseja atuar com fisioterapia respiratória

Como bacharel em Fisioterapia, você já estará habilitado para atuar em diversos setores. No entanto, ao focar na especialização em fisioterapia respiratória essas possibilidades aumentam, assim como a sua probabilidade de se manter empregado.

O profissional de fisioterapia respiratória pode atender os pacientes com disfunções em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), enfermarias, ambulatórios, consultórios, empresas, hospitais, home care e Unidades Básicas de Saúde (UBS).

De acordo com o site vagas.com.br, o fisioterapeuta que atua nessa área pode ganhar até R$ 3.286 de salário. A formação mais comum para quem atua com esse foco é mesmo a graduação em Fisioterapia.

Confira algumas oportunidades de trabalho para quem deseja se especializar em Fisioterapia Respiratória:

– Fisioterapia respiratória em pediatria: para cuidar de casos de pneumonia e bronquiolite, por exemplo, que são comuns entre as crianças;

– Fisioterapia respiratória ambulatorial: feita nas clínicas para tratar e proporcionar alívio de doenças crônicas como asma e doenças relacionadas ao coração;

– Fisioterapia respiratória hospitalar: praticada nos quartos dos hospitais como forma de prevenir o aparecimento de doenças respiratórias e melhorar a função pulmonar;

– Fisioterapia respiratória domiciliar: indicada após o indivíduo ter alta do hospital, mas quando ainda encontra-se em fase de recuperação de transtornos respiratórios ou de eventos cardíacos, como um infarto.

Quer saber mais sobre o curso de Fisioterapia ou outras formações na área da saúde? Então acesse outros conteúdos no nosso blog. Até o próximo post!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui