Esteja você em casa ou andando pelas ruas, sentado no sofá com um livro nas mãos ou circulando por um shopping center, é bem provável que você se depare com diversas informações que reúnam palavras e imagens. Logotipos, outdoors, vinhetas televisivas, jornais, revistas, websites, entre tantos outros recursos. Esse são apenas alguns dos exemplos de trabalho de um profissional formado em Design Gráfico.

As técnicas utilizadas pelo designer gráfico buscam acrescentar força estética às mensagens transmitidas visualmente. Por ter essa proposta, a área está caracterizada pela intersecção da arte com a comunicação social. Assim, o profissional formado em Design Gráfico está qualificado para ordenar harmoniosamente elementos textuais e não textuais a fim de compor peças publicitárias, editoriais, cinematográficas, jornalísticas, de marketing, de embalagens, enfim, de todas as atividades que estejam baseadas na linguagem visual. Os frutos dessa profissão estão ao nosso redor, em toda parte, e compõem o cenário físico e cultural em que vivemos.

CONHEÇA O CURSO DE DESIGN GRÁFICO DA ESTÁCIO

O profissional de Design Gráfico como agente cultural

Uma graduação em Design Gráfico visa preparar profissionais para trabalharem com ferramentas de comunicação impressa e digital a partir de imagens estáticas (textos, fotos e ilustrações, por exemplo) ou em movimento (como vídeos ou animações). No entanto, a atuação de um designer não se resume às técnicas de desenho e manuseio de softwares de criação. Para o bom exercício do seu trabalho, ele precisa ser um “antenado” cultural.

Isso significa dizer que o repertório artístico e o senso estético são itens fundamentais na formação desse profissional. Para que um designer seja capaz de criar um objeto gráfico que reúna beleza e conteúdo e que dialogue simultaneamente com as emoções e o intelecto, aumentando assim as chances de despertar a atenção e o interesse de seu receptor, é necessário que ele conheça os costumes e as preferências atuais da sua sociedade.

Essa é uma das razões que fazem o curso de Design Gráfico ser um dos mais multidisciplinares dentro da cartela de formações oferecidas pelas instituições de ensino. Além de disciplinas da Comunicação Social, nesse curso também estão presentes matérias como Teoria da Arte e Estética, Psicologia e Semiótica.

A percepção, a decodificação e a interpretação de imagens são alguns dos atributos mais naturais dos seres humanos, mas a complexidade dessa leitura abrange diversos setores do conhecimento, daí a necessidade de uma formação completa que vise qualificar o profissional a desenvolver e a aprimorar esse entendimento. Um exemplo de profundidade dos elementos visuais pode ser visto na comunicação feita pelas empresas.

De uma forma genérica e superficial, podemos dizer que o trabalho do profissional formado em Design Gráfico tem como objetivo dar uma identidade visual para as empresas e organizações por meio de logotipos e paleta de cores. Todavia, o real propósito do trabalho desse profissional é projetar visualmente uma marca, torná-la reconhecível e lembrada pelos clientes. É como dar uma “cara” à organização para que ela se exponha e seja identificada visualmente pelo mercado e pelos consumidores.

Perfil profissional de quem procura o curso de Design Gráfico

Devido às características do seu trabalho profissional, o graduado em Design Gráfico estará sempre em contato com conteúdos criativos, ambientes corporativos e tecnologias digitais. Portanto, por atuar nesse cenário, o profissional dessa área deverá ter algumas qualidades específicas.

Confira algumas qualidades que são valorizadas pelo mercado e que devem fazer parte do perfil profissional de quem deseja trabalhar com Design Gráfico:

1. Senso estético

Como já mencionado acima, a bagagem artística é de suma importância para um designer gráfico. Ter um entendimento sobre o que é belo ou agradável aos olhos é o caminho para aliar estética e informação no desenvolvimento de projetos.

Estudar história da arte, visitar museus e eventos, ler livros e publicações especializadas e assistir boas produções cinematográficas são maneiras de formar uma boa bagagem cultural e, com isso, facilitar o surgimento de ideias e propiciar a sua veia inovadora.

2. Imersão tecnológica

Espera-se que o profissional da área aprenda a manusear softwares de criação e de edição de imagens. Mais do que isso, é importante também que ele esteja atualizado quanto às inovações midiáticas, pois estas abrem novos campos de trabalho e são cada vez mais exigidas pelo mercado.

3. Técnica de desenho

Um designer gráfico não necessita ser um virtuose do desenho, mas ter ao menos uma noção refinada da linguagem visual e dos elementos que a compõem. Essa característica é importante porque o objetivo do designer gráfico será, quase sempre, o de expressar ideias por meio de imagens. Os trabalhos iniciais desse profissional podem ser rascunhos que, posteriormente, serão desenvolvidos em programas de computador.

4. Flexibilidade e comprometimento

Um designer gráfico pode atuar dentro de uma organização ou como profissional autônomo. Portanto, saber trabalhar em equipes multidisciplinares é tão importante quanto o bom desempenho individual em regime home office. Uma vez que vive submetido a metas e prazos, o profissional formado em Design Gráfico terá necessidade de ser organizado e comprometido com a execução dos projetos nos quais estará envolvido.

Como é o curso de graduação na área de Design Gráfico

A graduação em Design Gráfico da Universidade Estácio de Sá tem 2 anos e meio de duração e é realizada na modalidade presencial. O curso é de nível tecnológico, sendo focado na preparação do profissional para as demandas do mercado de trabalho.

Para quem deseja fazer essa graduação com o incentivo de uma bolsa de estudos, a Estácio oferece a possibilidade de acessar bolsas de estudo de até 100% no primeiro semestre e de 50% nos demais períodos. As bolsas da universidade são oferecidas para diferentes formas de ingresso e perfil do estudante, incluindo oportunidades de desconto nas mensalidades para quem faz vestibular, para quem fez o Enem nos últimos cinco anos e para quem está buscando transferência externa ou ingresso por segunda graduação.

Um dos pontos fortes do curso de Design Gráfico é a sua interdisciplinaridade: os alunos se aprofundam em design editorial, identidade visual, web design, foto e vídeo. A gama de aprendizado contempla ainda conteúdos relacionados à estética, à arte contemporânea, à semiótica e aos fundamentos culturais.

Outro destaque do curso é a parte prática. Os estudantes dessa graduação terão à disposição laboratórios, estúdio fotográfico e equipamentos modernos para o desenvolvimento de seus projetos.

O que se aprende no curso de Design Gráfico

A graduação tecnológica em Design Gráfico é dividida em cinco períodos. O aprendizado abrange a compreensão e o uso criativo de elementos visuais como ponto, linha, cor, forma, direção, textura, escala, dimensão e movimento (segundo a classificação do livro Sintaxe da Linguagem Visual, de Donis A. Dondis) e prosseguindo até tópicos avançados relacionados com a área e com as inovações tecnológicas.

Confira abaixo um resumo dos conteúdos que serão aprendidos e ensinados em cada semestre desse curso:

  • 1º período: o estudante aprenderá os fundamentos do design e do desenho, conhecerá os aspectos da linguagem visual e da percepção e terá contato com teoria e prática da cor;
  • 2º período: é quando o acadêmico aprofundará os seus conhecimentos na relação do Design Gráfico com a cultura e a sociedade brasileira e a história da arte contemporânea, passando também pela metodologia de projeto, semiótica e tipografia;
  • 3º período: com foco em algumas das demandas mais em alta no mercado de trabalho, esse semestre inclui disciplinas sobre editoração e diagramação, ilustração, produção gráfica e projeto de identidade visual;
  • 4º período: fase na qual são ministradas as disciplinas de teor mais tecnológico, como design de interface e usabilidade, comunicação em fotografia e inovação tecnológica. Fazem parte desse período do curso também conteúdos com caráter legal, como, por exemplo, ética em design e propriedade intelectual;
  • 5º período: semestre no qual o curso avança nas tecnologias mais atuais de vídeo, multimídia e web design ao oferecer disciplinas como a de Design de Embalagens. É nessa fase também que o estudante recebe orientação para fazer um projeto experimental em Design Gráfico.

Mercado de trabalho para os designers gráficos

Profissionais formados em Design Gráfico têm à frente um amplo mercado de trabalho. Suas habilidades são requisitadas em vários setores da economia, tanto nas empresas públicas quanto nas privadas.

A explicação para esse campo de atuação amplo está no fato de que a comunicação visual é hoje uma estratégia imprescindível para qualquer tipo de organização. Versáteis, os designers gráficos podem trabalhar com propaganda e jornalismo, produtos e embalagens, mídias físicas e digitais, entre tantos outros meios que incluam a linguagem gráfica e visual.

A média salarial de um profissional em início de carreira gira em torno de R$ 1,5 mil a R$ 2 mil, dependendo da região (grandes centros urbanos tendem a pagar mais). Ao avançar na carreira, o profissional da área pode chegar a cargos de gerência, incluindo a função de diretor de arte, ou fundar a própria empresa.

Para os profissionais que alcançam novos patamares nas suas trajetórias, os ganhos mensais podem flutuar entre R$ 5 mil e R$ 10 mil – ou mais.

Os principais empregadores de designers gráficos são agências de publicidade e marketing, editoras de livros e revistas, jornais, emissoras de televisão, produtoras cinematográficas e de vídeo, estúdios de design, departamentos de arte, de criação ou de produtos, gráficas e fabricantes de embalagens.

Atenção às tecnologias: algo fundamental para atuar na área de Design Gráfico

Um fator determinante para quem trabalha com Design Gráfico em pleno século XXI é a evolução tecnológica, sobretudo a relacionada com os meios digitais, que, por estar em constante desenvolvimento, coloca à disposição do profissional da área novas ferramentas e métodos de trabalho.

Se antigamente o designer gráfico estava acostumado a utilizar papel, régua e tesoura nos projetos que desenvolvia, hoje ele deve adquirir conhecimento para poder utilizar, no seu dia a dia, softwares como Photoshop, InDesign, Corel Draw, Adobe Premiere, Illustrator e tantos outros que facilitam, aceleram e asseguram um bom trabalho no seu processo de produção.

Não apenas as ferramentas de trabalho desse profissional estão em expansão com as novas tecnologias, mas, também, as suas possibilidades de atuação. O web design e a experiência dos usuários em páginas de internet, por exemplo, são demandas crescentes no mercado de trabalho para os profissionais formados em Design Gráfico.

Sites de e-commerce, plataformas de comunicação, blogs, aplicativos e sites jornalísticos, entre outros, exigem projetos gráficos acessíveis e amistosos para os internautas. Esse trabalho é desenvolvido através da expertise de um profissional formado em Design Gráfico.

A área do designer digital também está em expansão e dedica-se a encontrar soluções criativas para arquitetura de informações, mídias interativas, programação visual e produção de softwares. A linguagem multimídia – que converge texto, imagem e som – requer interfaces criativas que favoreçam a experiência de navegação dos usuários nos dispositivos digitais.

Por isso, o profissional formado em Design Gráfico costuma, depois de formado, especializar-se em áreas como UX (user experience ou experiência do usuário) e UI (user interface ou interface para o usuário).

Áreas de atuação para o designer gráfico

Entre algumas das principais áreas de atuação (muitas vezes inter-relacionadas) disponíveis no mercado para o profissional do Design Gráfico, podemos destacar as seguintes:

1. Identidade visual

De importância estratégica para qualquer negócio, a identidade visual é um componente fundamental na construção de marcas e na comunicação das organizações com os seus respectivos públicos-alvos. Quando atua nesse campo, o profissional da área emprega elementos gráficos para transmitir a personalidade, os valores e a missão de seus clientes.

2. Editoração e diagramação

Atuando com esse foco, o profissional da área trabalhará na elaboração de projetos gráficos para jornais, revistas e livros. Para isso, ele desenvolverá a diagramação – disposição estética de elementos textuais e não textuais – de conteúdos editoriais, como matérias jornalísticas, infográficos e material multimídia.

3. Produtos e embalagens

A partir de desenhos e projetos gráficos, um designer pode participar da concepção de novos produtos e de seus aspectos estético-funcionais. Indústrias de móveis e empresas que atuam nos setores do vestuário e de joias são alguns exemplos de companhias que podem contratar designers gráficos para esse trabalho.

Os profissionais formados em Design Gráfico também podem combinar identidade visual, matérias-primas e formas na produção de embalagens para empresas de diversos setores.

4. Design digital

Websites, comércio eletrônico, softwares, aplicativos e uma vasta gama de plataformas digitais exigem interfaces interativas que sejam atrativas para cada usuário. Geralmente, um designer gráfico é incumbido para planejar e para produzir essas plataformas e recursos.

Gostou da área de Design Gráfico? Então qualifique-se para atuar nesse segmento fazendo o curso da Estácio. Se você se interessa por conteúdos relacionados com formação continuada e quer saber mais sobre cursos de graduação e de pós-graduação, confira outros textos sobre esses temas publicados no nosso blog. Até o próximo conteúdo!