Você é apaixonado por animais? Então que tal transformar algo que você gosta tanto em sua profissão? Para fazer Medicina Veterinária, não basta ter afeto pelos bichos, mas isso já é um bom indicativo de que você poderá se encontrar nessa carreira. Nos últimos anos foram registrados diversos avanços na área, o que transformou os tratamentos para os animais domésticos.

Ao mesmo tempo, os pets são cada vez mais vistos como membros da família, não menos importantes do que as pessoas que fazem parte dela. Por isso, seus tutores não estão economizando no cuidado dos bichinhos, fazendo tudo o que é possível para proporcionar uma boa qualidade de vida para eles. Juntando tudo isso, temos uma Medicina Veterinária mais especializada, utilizando tecnologia de ponta e com técnicas antes utilizadas apenas em humanos – como a fisioterapia – se popularizando. Ficou interessado? Então descubra como a formação nessa área poderá ajudar você a ter uma carreira longa ao cuidar de animais domésticos e de outras espécimes.

CONHEÇA O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DA ESTÁCIO

Quais as principais novidades da Medicina Veterinária no tratamento de animais domésticos?

Neste texto, trazemos diversas informações sobre a Medicina Veterinária. Primeiro, mostramos os principais avanços do ramo nos últimos anos. Nesse tópico, você irá conhecer os aparatos tecnológicos utilizados pelos veterinários. Depois, irá aprofundar-se mais sobre as técnicas de fisioterapia animal que estão revolucionando o tratamento de animais domésticos.

Ainda trazemos as principais tendências para o mercado veterinário, que vão desde a relação entre os tutores e os profissionais de saúde até os perfis que estão em alta nas clínicas que tratam dos animais domésticos.

Além disso, mostramos também como é a faculdade de Medicina Veterinária e as oportunidades para quem se formar nesse curso. Engana-se quem acha que o médico veterinário é apenas aquele que trabalha em consultórios, atendendo aos pets. Seu leque de atuação é bem amplo, como você poderá conferir ao seguir esta leitura. Descubra também mais sobre algumas das principais funções que o médico veterinário pode desempenhar.

Avanços tecnológicos que estão marcando o tratamento dos animais domésticos

Os aparelhos existentes para detectar doenças em animais domésticos são, em geral, os mesmos utilizados pela medicina humana. Porém, eles apresentam configurações adaptadas por meio de softwares para deixá-los mais adequados à anatomia dos bichos.

Confira alguns dos principais equipamentos que são utilizados, atualmente, para o tratamento dos pets:

  • Ultrassom de abdome: pode ser portátil, de forma que o médico veterinário consiga carregá-lo para qualquer lugar. Esse equipamento é muito útil, principalmente, no caso de animais maiores, como cavalos, que são mais difíceis de transportar. Já há opções que contam com conexões Wi-Fi e bluetooth, sendo possível transferir as imagens geradas diretamente ao prontuário eletrônico do paciente;
  • ECG: o eletrocardiógrafo é muito útil para avaliar o ritmo dos batimentos cardíacos de animais domésticos. Esse equipamento já existe também em versões portáteis. Seus lados podem ficar disponíveis online ou serem impressos com o logo da clínica;
  • Raio-x: os aparelhos analógicos de raios-x, que eram tecnologia de ponta até pouco tempo atrás, estão ultrapassados. Os digitais, além de mais práticos por não precisarem do processo químico para revelar a imagem, trazem imagens mais nítidas, melhorando o diagnóstico. Eles ainda trazem funcionalidades como filtros, isolamento de determinadas parte da imagem e efeitos para realçar o que o médico veterinário considerar importante.
  • Prontuário eletrônico: essa tecnologia facilita a rotina das clínicas, agregando rapidamente todos os exames no prontuário do paciente. Dessa forma, os profissionais conseguem acessar rapidamente as informações dos animais domésticos, o que é um ganho relevante no caso de qualquer emergência.
  • Termovisor: apesar de ser utilizado pela medicina tradicional desde a década de 1970, foi apenas nos últimos anos que o termovisor foi adotado pela Medicina Veterinária. Assim, ele já chegou como um aparelho leve e capaz de gerar imagens de alta resolução. O termovisor é importante para detectar osteoartrites e lesões musculoesqueléticas de forma geral.

Outra tendência na área: fisioterapia em animais domésticos

Uma das áreas da Medicina Veterinária que mais evoluiu nos últimos anos foi a da fisioterapia. Aplicada nos animais domésticos, a fisioterapia pode atuar de forma a evitar o avanço ou aparecimento de patologias, como as dos seguintes tipos:

  • Ortopédicas: tendinites, artroses, artrites e pós-operatório de fraturas;
  • Neurológicas: hérnia de disco, paralisias, pós-operatório de coluna, doenças do sistema nervoso central e cinomose;
  • Outras: também pode ser aplicada no tratamento de malformações congênitas ou adquiridas.

Conheça as técnicas de fisioterapia veterinária mais evoluídas e que são utilizadas no tratamento de animais domésticos:

  • Eletroterapia: a Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TENS) e a Corrente Interferencial são usadas para aliviar dores na eletroterapia, enquanto a Estimulação Elétrica Funcional e Neuro Muscular Estimulação Elétrica (FES/NMES) ajuda no fortalecimento dos músculos de cachorros com problemas ortopédicos;
  • Laserterapia: aplicado para aliviar dores em animais domésticos com doenças agudas ou crônicas, o laser funciona como um antiinflamatório e analgésico, aumentando o metabolismo celular, a cicatrização de feridas e auxiliando assim a reparação do tecido;
  • Cinesioterapia: composta por técnicas como alongamentos e exercícios terapêuticos, é muito utilizada em animais domésticos que possuem patologias ortopédicas e neurológicas. Nesse tratamento são usados acessórios como bolas, cones e pranchas;
  • Acupuntura: tratamento que estimula pontos específicos do corpo dos pets – com ou sem agulhas – e utiliza técnicas como massagens, estimulação elétrica, aplicação de calor, entre outras;
  • Hidroterapia: diminui dores e melhora a flexibilidade e a coordenação dos animais domésticos ao fazer a fisioterapia na água, normalmente com a utilização de esteiras aquáticas.

Qual é a expectativa para o mercado de Medicina Veterinária nos próximos anos?

Confira algumas tendências que estão em alta e que deverão marcar o mercado dos cuidados com os animais domésticos e outras espécimes no futuro próximo:

1. Tutores mais informados

Devido à facilidade do acesso à informação, os clientes ficarão cada vez mais exigentes em relação aos tratamentos, aos produtos e ao atendimento prestado pelo médico veterinário. Além disso, eles estão mais dispostos a gastar e fazer pelos seus animais domésticos o que fariam por pessoas da família. Nessa busca pelos melhores tratamentos, será usual investir em tratamentos com base em alta tecnologia.

2. Ampliação dos planos de saúde

Os avanços tecnológicos trazem diagnósticos mais precisos e, consequentemente, tratamentos mais certeiros. Porém, acabam encarecendo os serviços, o que acarreta numa maior procura pelos planos de saúde para animais domésticos. Essa modalidade de plano de saúde só tende a crescer nos próximos anos.

3. Médicos veterinários especialistas

Como mais médicos veterinários estão sendo formados a cada ano, eles precisam se especializar para se destacar no mercado. Isso pode ser feito por meio de pós-graduações, residências na área ou por meio de cursos de mestrado ou de doutorado. Atualmente, a especialização ainda é um diferencial para esses profissionais, mas em breve será uma exigência das melhores clínicas e dos tutores de pets.

4. Clínicas sustentáveis

As clínicas veterinárias têm um alto consumo de água e de energia elétrica por conta dos procedimentos médicos e de higiene em animais domésticos. Por isso, precisarão aprender a consumir os recursos naturais conscientemente, assim como passarão a investir cada vez mais em energias renováveis.

Muito além dos animais domésticos: como é o curso de Medicina Veterinária?

O perfil mais conhecido de médico veterinário é aquele que trabalha em consultórios particulares cuidando de animais domésticos. Porém, a área de atuação desse profissional é bem mais ampla.

Quem se forma em Medicina Veterinária pode trabalhar com:

  • Consultas clínicas e cirurgias em animais silvestres;
  • Acompanhamento da produção e da comercialização de produtos para animais, como vacinas, medicamentos, rações, vitaminas e alimentos;
  • Prevenção e controle de zoonoses, ocupando cargos com essa proposta na Vigilância Epidemiológica, na Vigilância Sanitária e Ambiental;
  • Pesquisas, estudando e ajudando a desenvolver biotecnologias para o setor animal;
  • Fiscalização de lugares que produzem ou vendem produtos de origem animal;
  • Prevenção de doenças em rebanhos e atuando para melhorar a qualidade de vida dos animais;
  • Preservação de espécies, ao estudar animais silvestres que podem estar em seu habitat natural ou em cativeiro.

Como é a grade curricular do curso de Medicina Veterinária?

Na Estácio, o curso de Medicina Veterinária conta com disciplinas como:

  • Anatomia Animal;
  • Antropologia e Sociologia Rural;
  • Biologia Molecular;
  • Bioestatística;
  • Bioquímica;
  • Citologia e Histologia Animal;
  • Embriologia Veterinária;
  • Imunologia em Animais;
  • Farmacologia para Veterinária;
  • Clínica Médica de Mamíferos;
  • Patologia em Aves;
  • Química Fisiológica dos Animais;
  • Micologia Veterinária;
  • Radiologia e Ultrassonografia em Veterinária.

Qual deve ser o perfil de um médico veterinário?

Tanto para tratar os pacientes quanto para lidar com seus tutores e criadores é necessário ter características pessoais como sensibilidade, empatia e resiliência. Além disso, quem busca fazer uma carreira na Medicina Veterinária precisa ter pensamento científico.

Se você não gosta de rotina, essa profissão pode ser uma boa opção. Os médicos veterinários que trabalham em clínicas e hospitais precisam fazer plantões nas madrugadas e fins de semana, bem como podem ser acionados a qualquer momento em caso de emergência.

Como já foi citado, a necessidade de especialização em breve será uma realidade na Medicina Veterinária. Então, gostar de estudar é fundamental. E não será apenas nos cinco anos de faculdade e nos seguintes de residência, pós-graduação ou mestrado/doutorado que será preciso estudar. Como esse profissional deve estar atento aos novos estudos científicos, às novas tecnologias, medicações e tratamentos descobertos, você precisará investir em atualização constante para acompanhar o que há de melhor e mais novo nos cuidados com os animais domésticos e silvestres.

Gostou deste post? Então indique para um amigo da área e continue a acompanhar o nosso blog para ficar por dentro das novidades sobre mercado de trabalho, processos seletivos e receber dicas de estudos e de produtividade. Até o próximo conteúdo!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui